Archive for abril, 2011

19/04/2011

OPORTUNIDADE PARA EMPREENDEDORES SOCIAIS

Concurso de Atividades Empresariais Sociais

O NESsT tem o prazer de anunciar o Concurso de Atividades Empresariais Sociais 2011 no Brasil – MAS ainda só para organizações da sociedade civil (OSC) do Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia.

O prazo final para enviar o formulário é 29 de abril de 2011 – enviá-lo para Danielle Comar: dcomar@nesst.org.

Maiores info e formulario de inscricao no site do NESst: www.nesst.org

15/04/2011

Feira de Trocas em Brasília

Feira de Trocas é tudo de bom! Esta acontece em Brasília…

13/04/2011

Curso gratuito de Aproveitamento de Água de Chuva

Captação, Uso e Reuso de Água de Chuva

Aula teórica (16/04/2011):

Apresentação de slides com uso de um projetor do tipo Data-Show.

– Introdução ao tema Água; captação, uso e reúso.
– Sistemas comerciais de Aproveitamento de Água de Chuva
.
Apresentação detalhada da Minicisterna (slides + banner e mostra de peças usadas no sistema).

Aulas práticas:

– Construção da Minicisterna de 2.000 litros para abastecer a horta da escola.

Obs.: Durante o curso o grupo tem liberdade para fazer perguntas relacionadas ao tema.

Datas: 1ª aula dia 16 de abril – sábado (outras três aulas práticas a confirmar)
Horário: das 9:00hs. às 13:00hs.
Informações:
fone: (11) 8558-6139 com Selene, ou 6423-0084 com Gabu

 

 

10/04/2011

Bah tchê, festa triboa de Biodiversidade em Porto Alegre

Guilherme avisa, vem aí a 5ª fEsTa dA bioDiVeRSidAdE em Maio/ Porto Alegre

Quer dar uma força pra fazer a festa acontecer e pipocar?

As reUniÕes de oRganizAÇÃO estão ocorrendo todas as terças-feiras, itinerando pelos espaços dos biodiversos coletivos que articulam a Festa. Na próxima terça, dia 12 de abril, a reunião será na Casa das Bicicletas (Marcílio Dias 1091), às 19 horas.

Está marcado também um encONtrão no dia 30 de abril, das 14 às 18h, (local a definir) para concebermos coletivamente o tom da manifestação desse ano e ampliarmos a articulação das redes que compõem a fEsTa dA bioDiVeRSidAdE.

partiCipe: http://blogfestadabiodiversidade.wordpress.com/

 

08/04/2011

Aldeia Arawikay 10 anos

Entrevista com as fundadoras

Ecovilas é uma maneira de viver em grupo que com certeza é uma das soluções que acreditamos e apoiamos aqui no Paginas Verdes.

O movimento e as iniciativas crescem exponencialmente no Brasil – vários grupos se formando e pessoas interessadas.

Então, a gente resolveu fazer uma entrevista com um grupo que já está com a mão na massa no Sul do Brasil.

Confira a entrevista com a Eliana e a Tânia e Inspire-se!

O que inspirou vocês a fundar uma ecovila?

A necessidade de experimentar formas sustentáveis de moradia integral numa vida eco rural. Perceber que iniciativas pequenas, cuja missão e propósito são fortes, geram raízes em potencial e tornam-se na ação e silêncio um banco de sementes natural.

Querer aprofundar ensinamentos, conquistas e estar prontos a desafios cotidianos no mundo espiritual e na experiência humana. Entre inúmeras aprendizagens sincrônicas queríamos dar continuidade a aprendizagem da rica participação na antiga Comunidade de Nazaré, logo chamada de Centro de Vivências Nazaré em SP/área rural entre 1989 e 1999.

O chamado para sermos guardiãs de um canto da Mãe Terra e preservar um corredor natural de espécies de animais selvagens, criando pontes entre florestas próximas e distantes. Uma oportunidade de ser partícipes diretos da preservação da biodiversidade brasileira, principalmente das águas e obter os produtos diretamente da terra.

A vontade de promover um lugar que constrói pontes entre conhecimentos originais e comparados, numa ampla diversidade, sejam eles espirituais, técnicos, artísticos, medicinas, agrícolas, econômicos, etc, entre participantes e diversas iniciativas. Principalmente com as mãos na massa.

Experimentar a liberdade para além do estabelecido, tanto na expressão quanto nas práticas. Viver e promover uma “eco ética” responsável e a recriação cultural.

Uma nova prática de consumo, comércio e trocas de serviços e produtos, a fim de contribuir para as bases do desenvolvimento de uma Economia Solidária no Brasil, através do Fórum permanente e das nossas práticas locais. Implantar o sentido de abundância, bem como o de solidariedade que transcendem idéias sobre riqueza, ressentimentos sociais, oportunidades, etc.

Quais os fatores determinantes para a escolha do local?

A certeza e confiança absoluta no primeiro contato que esse era o lugar.

O potencial e a diversidade da geografia da área integral.

A dimensão ideal da terra, que comporta os cuidados de um pequeno núcleo de moradores.

A inacessibilidade a uma parte do terreno, conservando sua pureza energética, sem interferências.

A existência de construções, permitindo a remodelação das mesmas por nós mesmos e com reaproveitamento de materiais, contribuindo com a nossa economia inicial.

O potencial simbólico de uma roda d’água, referência de um estilo de vida artesanal e memória de tempos antigos, além da possibilidade de futura geração de energia renovável.

A existência de alguns cultivos, plantações frutíferas que proporcionaram um mínimo de sustentabilidade inicial.

Equilíbrio de proximidade entre pequena cidade, diversas áreas em anel rurais e outros centros urbanos não muito distantes.

Ausência de redes eletromagnéticas e iniciativas poluentes por perto.

Perfil de agricultura familiar na região.

A segurança da região, com pouca circulação de carros ou turistas.

A boa energia da família agricultora que habitava o lugar, que nos introduziu em parte na  cultura tradicional de colonos.

Qual é a proposta da Aldeia Arawikay?

a) Ampliar linguagens de crescimento propondo uma diversificação de programas com orientação e aprimoramento do termo eco sustentabilidade em vários setores da vida, tais como: Acolhida Eco rural (Lazer consciente voltada a convivência espontânea no cotidiano); Atividades Rurais; Produção artesanal; eventos diversos ambientalistas educativos e outros.

b) Viver e subsistir  financeiramente no local com sistemas de agricultura e agrofloresta, crescendo juntos em  eventos ecológicos diversos. O sitio não tem financiadores e vive da proposta rural.

c) Praticar formas de Trocas Solidárias e uma nova economia. Há uma parceria com o micro empreendimento “Makaia Brasil” que produz e comercializa o artesanato sustentável em diversos locais e numa loja virtual. MB adquire de Arawikay a matéria prima para seus produtos.

d) Trabalhar em parcerias em diversas locais com líderes de grupo, indivíduos, redes, ongs e instituições que tenham semelhantes propósitos. Podem acontecer dentro da área rural ou urbana numa com uma Agenda Itinerante.

e) Realizar intercâmbios aprofundados no programa “Eco Pontes” onde há um chamado a encontros intensivos entre iniciativas afins com seus líderes ou representantes. Acontecem entre grupos menores e anualmente um encontro ampliado.

f) Crescer gradativamente expandindo um pequeno Anel Ecológico, interagindo com novos vizinhos engajados integralmente ou parcialmente com a proposta após aquisição de terra.

O que fazem no momento?

Desenvolvemos atividades rurais de produção e preservação, como artes, saúde natural, lazer. Visitantes podem escolher seu programa, datas e fazer a proposta de permanência dentro de uma “Agenda Fixa” com quatro modalidades de programas extensos.

Recebemos visitas na área rural de interessados para constituir o Anel Ecológico, orientando potenciais e passos numa estrutura existente. Há poucos terrenos a venda.

Participamos de Feiras Sustentáveis regionais e estaduais e levamos nossos produtos para a área urbana (produtos de artesanato e do campo). Participamos da Rede Ecovida de agricultura familiar onde estamos inseridos e onde recebemos o selo de certificação agroecológica. Acompanhamos processos nacionais de certificação.

Começamos a implantar em 2011 gradativamente o projeto de manejo agroflorestal e agroecológico ampliando cultivos para próprio consumo, comercialização, trocas e educação. Entre eles 70 espécies de árvores nativas frutíferas e diversificando outras exóticas nos pomares; produção de cogumelos shiitake em toras, apiários de abelhas nativas, reflorestamento de árvores nativas para obtenção de sementes e mudas ( para comercialização e educação).

Agimos dentro de redes e iniciativas como: Rede Ecovida de agricultura, Fórum de Economia Solidária, Rede de Ecovilas Brasileira, Rede de Oração e de Cura Planetária. Somos vinculados (um membro) a Associação Catarinense de Plantas Medicinais. Participamos de Redes de Danças da Paz e Circulares.

Realizamos estudos diversos em técnicas sustentáveis, nos aprimorando para implantá-las nas épocas adequadas.

Tecemos a estrutura de Arawikay com caminhos acessíveis em novos sistemas que permitam ingressos econômicos básicos ou complementares para os que virem residir ou para somarem-se conosco em diversas parcerias.

Escrevemos sobre a experiência desde a chegada (ano 2000), aguardando a possibilidade de edita-las em dois livros orientadores, assim como procurando também recursos e formas de publicá-los.

Procuramos apoios/ parcerias com pessoas ou instituições para preservação do habitat e interessados na compra de nossos produtos do campo e artesanatos. Também oferecemos apoios e parcerias.

Como funciona a moradia e participação?

A estrutura possui quatro anéis:

1-“Anel Apis” – Participação de visitantes

Acolhemos visitantes com diversas buscas dentro do “Campus Arawikay” de forma temporária, segundo escolha de programas e dentro de costumes de ecovilas/comunidades, permitindo no período de permanência uma aprendizagem integral. Os mesmos contribuem com seus custos e apoio.

Moradia:

Somos atualmente duas pessoas residentes co- criadoras do sistema morando e convivendo com os eco praticantes de períodos temporários e demais visitantes num cotidiano rural. Apoiados energeticamente por um grupo de “Guardiões de Arawikay”  que não moram no local, crescemos gradativamente como sistema e estrutura.

Para futuros moradores existem:

2- “Anel das Árvores” – Destinado a implantação de novas residências através de compra de terra com escritura pública definitiva para cada comprador ou nas proximidades e como participantes do Anel Apis de forma integral ou parcial.

E necessário cadastrar-se e responder a um questionário se houver interesse de compra (são poucos os terrenos). Recebemos interessados para moradia através de participar de nossos programas ou dentro de uma visita específica para isto.

3- “Anel das Águas”- (acampamento com ritmo diferenciado de no mínimo 8 dias). É necessário entrar em contato para obter mais informações.

4- “Anel dos Pássaros”- (parcerias profissionais em outros projetos urbanos ou no próprio local rura,l independente de moradia, partindo do estudo de viabilidade de cada propostal.

Informações ampliadas em www.ecoaldeia.org/anel.

Veja outras formas de participação direta ou indireta em nosso site.

O que espera de Arawikay em cinco ou dez anos?

a) Que constitua seu pequeno anel ecológico com sustentação e dinâmicas de referência social, na forma de ocupação da terra e envolvimento. Mantermo-nos sempre com abertura para mudanças.

b) Colheita e diversificação de cultivos orgânicos para sustentabilidade local, trocas e comercialização, sendo também uma escola natural rural.

c) Estruturas remodeladas e multifuncionais com energias alternativas renováveis (principalmente estrutura da roda d ‘água). Construções que sejam simples e modelos ecológicos acessíveis. Acesso a tecnologias de comunicação da época.

d) A constituição de uma pequena RPPN (reserva particular de patrimônio natural) e/ou Escola de Práticas de estilos de vida rurais em um desmembramento da área que promova iniciativas de diversos enfoques científicos e comparados, ambientalistas, técnicos, espirituais, de crescimento humano.

Propostas de instituir algo afim,  com criatividade e inovação de modo a ampliar potenciais.

e) Manter um ponto de luz, conexão e ação de grupo próximo orientado para um equilíbrio entre ações locais e externas, numa abrangência brasileira e com estrangeiros, que nos surpreenda a cada vez pelo bom uso da nossa liberdade.

f) Ter um rico acervo de registros sobre a experiência dos ciclos de Arawikay e sobre a sua interação com  iniciativas, pessoas e seu universo sutil, através de entrevistas ou outros meios, como também encontrar patrocinadores para a publicação de livros.

g) Receber e dar apoio em diversos setores da sociedade mantendo o espírito de serviço.

Quanto aos costumes:

Praticamos no local:

  • Alimentação natural, ovo lacto vegetariana, com opção para veganos.
  • Estados de atenção plena.
  • Evita-se a ingestão de produtos e drogas que alterem a consciência ou estado físico.
  • Incentivamos o respeito e carinho aos animais e os cuidados ecológicos com o meio ambiente.
  • Ritmo cotidiano flexível adaptado aos programas, indivíduos e grupos.
  • Equilíbrio entre comunicação verbal e silêncio; espaços privados e comuns; tarefas dinâmicas e introspectivas; individualidade e vida grupal.
  • Sistema de guardiões de espaços e tarefas.

Dedicam-se até 45 minutos diários de forma individual para atender a boa energia, beleza, organização, limpeza e inovação de espaços ou atividades para o bem comum.

  • A preservação da energia vital.

Incentivamos a mudar de rotina e se retirar para a experiência, evitando eletromagnetismo e o uso de aparelhos elétricos, celulares e computadores (somente quando muito necessário).

  • Sistemas de trocas com Arawikay.

Dentro de sistemas da economia solidária algumas possíveis formas de trocas podem ser sugeridas como parte da contribuição pela estadia e experiência. OBS: com prévio acordo antes da permanência.

+ Aldeia Arawikay

+ Ecovilas e afins postados aqui

05/04/2011

Usinas nucleares e a construção de novas usinas no Brasil

A UMAPAZ está criando uma série de encontros chamando Assuntando e nada mais do que propício, depois de Fukushima, (Chernobyl e Angra) de repensar, pesquisar e nos embasar de saberes para ter poder argumentar do porquê não.

Eu, particularmente; não vejo o porquê de explicar porquê – parece-me tão óbvio!

Obviamente, não.
Não para os políticos que continuam investindo NOSSO dinheiro e NOSSA saúde.

A proposta deste encontro é ilustrar questões e acontecimentos que possam estimular a reflexão, potencializando e modestamente, inspirando ações de cidadania planetária frente às ameaças socioambientais deste século.

Onde, quando e quanto?

”O acidente na usina de Fukushima, o futuro das usinas nucleares e a construção de novas usinas  no Brasil”

7 de abril, quinta-feira, às 19h – Não é necessária inscrição prévia. Solicita-se chegar 15 minutos antes do início

UMAPAZ – Av. IV Centenário, 1268 – Portão 7A – Parque Ibirapuera – 11-5572-1004

GRATIS!


 

O palestrante convidado é o Dr. Luís Antônio Albiac Terremoto, Bacharel em Física, Mestre e Doutor em Ciências na área de Física Nuclear, pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo. Técnico do Centro de Engenharia Nuclear do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN/CNEN-SP), atualmente, desenvolve pesquisas em física nuclear aplicada relacionadas com o estudo de combustíveis nucleares e atua na prestação de serviços, realizando trabalhos de consultoria para as usinas nucleares Angra 1 e Angra 2 que abrangem a inspeção de elementos combustíveis e a determinação do ativo isotópico de rejeitos radioativos.

Ah! Uns links sugeridos pela UMAPAZ para a gente se inteirar sobre o tópico:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/891040-projeto-original-de-fukushima-esconde-uma-bomba-relogio-dupla.shtml.

Energia – a chance de discutir sem soberba – artigo de Washington Novaes

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110318/not_imp693513,0.php

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110327/not_imp697841,0.php

 

03/04/2011

E em Abril, vamos abrir as mentes …cursos e eventos na Agenda Verde!


UFA! Corri, mas consegui formatar uma iniciativa de Agenda para Abril.

Com o feriadão da Páscoa, com certeza, iremos publicar uma agenda especial feriadão!

A Agenda é dinâmica, no caminhar do mês; sempre recebemos atualizações, descobrimos algo im-per-dí-vel e assim, é inevitavelmente prazeiroso ver aumentar as oportunidades de aprender, conectar, dançar, conhecer, partilhar, etc.

Veja o link atualizado AQUI facebook ou twitter.

 

Agenda Paginas Verdes – Abril 2011

07, 14, 20 e 28 – Cantos Harmônicos das 19 as 22hs no Visão Futuro – núcleo Sampa na Pompéia –  2495-3736 / 7553-4234

08 a 10 – Retiro de Yoga em Nazaré Paulista.  Contacte: secretaria@nazareuniluz.org.br

09 –  Horta Caseira Orgânica e Compostagem na Sede da AAO, Parque da Água Branca, SP. R$50/60 – Mais info: (11) 3875-2625 – cursos@aao.org.br

10Cultivo orgânico de plantas condimenares e aromáticas no Pq. Água Branca, SP. Mais info: (11) 3875-2625 – cursos@aao.org.br

12 VII Fórum Acende Brasil – Brasília/ DP –  Inscrições GRATIS

13 Abril a 8 Junho – Arte e Sustentabilidade na UMAPAZ/ SP – 11-5572-1004 ou inscricoesumapaz@prefeitura.sp.gov.br

16 e 17 – A Cura da Terra –  no Sistema de Expansão em Tecnologias Ecológicas em Sete Lagoas/ MG – oportunidade de bolsas – (31) 9805-4141/ 8815-0160

21 – Habitações Sustentáveis no IPEMA, Ubatuba/ SP – www.ipemabrasil.org.br

21 a 24 – Mutirão na Figueira – Contacte: nucleosp@fazendafigueira.org.br até 17/04.

25Curso On line pela FGV: Ética e Responsabilidade Social – inscrições ateh dia 4 Abril

26 a 5 de MaioElaboração de Projetos Sustentáveis na Morada da Floresta/ Sampa. .Valor: R$ 260,00 – incluso material didático virtual

29 a 1 Maio – Processos Participativos na Casa Jaya/ SP. Veja mais no LINK

30 –  Manejo do Solo (prático) na Sede da AAO, Parque da Água Branca, SP. Mais info: (11) 3875-2625

Veja tb:

01/04/2011

Parece mentira, mas não é…te convido a abrir o coração!

Se no passado, ser ecológico era coisa de hippie; hoje em dia é uma questão de necessidade, sobrevivência e  que se traduz também como uma oportunidade de criar um novo mundo, um mundo mais conectado com a Natureza, um mundo onde a tomada de decisões de uma empresa considera pessoas e meio ambiente tão importante quanto ao saldo financeiro.

O desafiador e também o fator excitante, é como fazer esta transição – que obviamente já está acontecendo: pessoas alternativas se tornando mais conectadas com o mundo dos negócios e o mundo corporativo adaptando-se ao mercado e as demandas.

Pra mim, a gente pode falar de estatísticas, metas, sistemas, fazer cursos e eco isso e eco aquilo – mas se a gente não abrir o coração e tratar a outra pessoa como um ser humano –  e nao de acordo com a posicao social  que ela se encontra.

Então, o meu convite hoje é para rever os nossos pré-conceitos, se observar e ver como você trata pessoas com posições de trabalho ‘simples’ mas tão essenciais, como por exemplo, os lixeiros – já imaginou a vida sem eles?

E se quiser, levar o desafio adiante; diga a alguém que de repente você encontra todos os dias, por exemplo porteiro(a) e pare dois minutinhos ali e tenta descobrir um pouco mais daquele ser …

É … ser ecológico, vai além – muito além ….

E amanhã, a AGENDA VERDE para Abril 2011.

%d blogueiros gostam disto: