Archive for agosto, 2009

31/08/2009

Aprendendo a captar recursos para a sua organização

Quem trabalha na área sócio-ambiental tem uma noção bem forte como é importante a captação de recursos – ou num termo mais atualizado, mobilização de recursos – enfim, os termos podem ser diferentes mas a essência é a mesma: conseguir recursos para viabilizar projetos e mais do que tudo, manter a organização viva!

Abaixo, material valioso com ótima dicas que encontramos no site da Associação Brasileira de Captadores de Recursos – para quem trabalha na área, super vale a pena visitar e quem sabe se associar.

Só clicar para fazer o download em pdf.

30/08/2009

Trigueirinho na sua missão em São Paulo

Evento avisado com antecedência para colocar na agenda!

Esse nós indicamos! Palestra gratuita no Memorial da América Latina

José Trigueirinho Netto, filósofo espiritualista, autor de 76 livros, com cerca de 2 milhões de exemplares em português e espanhol e com mais de 1.400 CDs gravados ao vivo, falará no Memorial da América Latina, no dia 05/10, às 20h30, sobre o tema “Ponte para mundos internos”.  O evento é gratuito.

Memorial da América Latina: Av. Auro Soares de Moura Andrade, n° 664, Próximo à estação Palmeiras-Barra Funda do metrô

Mais informações: Núcleo de Figueira em São Paulo (11) 4169-8118 nucleosp@fazendafigueira.org.br

29/08/2009

e mais noticias de gringo sobre o Brasil …

Brazil’s Coming Rebound
São Paulo – For years, Edilson dos Reis Rodrigues dreamed of owning a home. But the public school teacher and his wife together earn just $710 a month, so he could never set aside a down payment. Now, he’s finally getting the chance.

Thanks to a new government program called My House, My Life, Rodrigues will soon own a two-bedroom apartment near São Paulo. He’ll get a cash grant covering a quarter of the $52,000 price and a discounted 30-year mortgage, so he’ll pay just $220 a month—half what a conventional loan would have cost. “This is an incredible opportunity,” the 31-year-old says, smiling broadly as he hands in paperwork to seal the deal.

My House, My Life is just one of the stimulus measures that Brasilia has implemented to keep Latin America’s biggest economy from stalling. As a result, Brazil will likely be one of the first countries to emerge from the slump: The economy may grow slightly this year and by as much as 4.5% in 2010, helping lift millions of Brazilians out of poverty. “Brazil is emerging from the crisis, and next year we are going to have surprising growth,” President Luiz Inácio Lula da Silva said proudly in a July 28 speech.

Lula has reason to be proud. The former union activist, who never finished elementary school, has been a surprisingly careful steward of Brazil’s economy. In a country long plagued by hyperinflation, devaluations, and defaults, Lula last year won investment-grade status for Brazil’s sovereign debt. And he did it while expanding social programs that have dramatically reduced poverty rates and spurred expansion of the middle class.

Veteran Brazil watchers say the country’s resilience is due to a combination of abundant natural resources, an embrace of globalization after decades of looking inward, and resilient businesspeople and policymakers who have learned to survive difficult times. So as soon as the economy started to contract last year, Brasilia trimmed income taxes and cut levies on key consumer goods, helping manufacturers boost sales and avoid layoffs. “Brazil has proved it can govern itself and keep the economy on track in very difficult times,” says Riordan Roett, a professor at Johns Hopkins University’s School of Advanced International Studies.

Although the economy fell into recession in the first quarter, consumer confidence and spending quickly rebounded owing to the stimulus and sound domestic finances. A comfortable $212 billion cushion of foreign reserves and a decade of budget surpluses have allowed the central bank to slash interest rates to a record low of 8.75% from 13.75% in seven months while pouring liquidity into the market to keep credit flowing. And private banks are well regulated and have healthy balance sheets. “Brazil’s fundamentals are very strong—we don’t have any of the problems that created the bubble in the U.S.,” says central bank President Henrique Meirelles.

Just as important, though, is Brazil’s huge domestic market. While outsiders focus on the country’s shipments of iron ore, steel, and soy to China, exports are just 12% of Brazil’s $1.5 trillion economy. It’s the 190 million people and the fast-growing middle class—now more than half the population—that drive growth. In the past seven years a government program called Bolsa Família has helped nudge 24 million Brazilians above the poverty line. And 8 million jobs have been created since 2003, while the minimum wage has increased 45%.

That’s not to say Brazil isn’t still a tough place to do business. Its highways, railroads, ports, and electric grid are outdated and congested. The government collects 36% of gross domestic product in taxes, similar to Europe, but delivers Third World services. Political corruption and a nightmarish bureaucracy can hobble growth. And government spending is starting to rise in the runup to next year’s elections, which will mark the end of Lula’s eight-year presidency.

But there’s mounting evidence that Brazil is really changing. Brazilians have long joked that theirs was the country of the future—and always would be because they invariably seemed to mess things up. Now they’re imbued with a newfound optimism that they might finally have gotten things right.

State oil company Petrobras is a case in point. Last year the company discovered vast deepwater reserves that it is developing with a five-year, $174 billion investment program. The goal is to double Brazil’s production, to 3.5 million barrels a day, by 2012, making the country a top oil exporter. “Our deepwater discoveries didn’t just fall from the sky. They’re the product of a very long-term development program going back 30 years,” says Petrobras CEO José Sergio Gabrielli de Azevedo. “It’s the Brazilian equivalent of sending a man to the moon.”

The country’s improving prospects create huge opportunities for entrepreneurs small and large. “Brazil has had so many crises over the years, people got used to them,” says David Neeleman, the founder of JetBlue (JBLU), who last December started a low-cost Brazilian airline called Azul (Portuguese for “blue”). “I don’t think they’re at all fazed by this crisis—everyone seems to be focused on buying their first car, getting their first credit card.”

A beauty salon in Rio de Janeiro highlights the new middle-class buying power. Despite its location in the posh Ipanema neighborhood, the clientele is mostly housemaids, hospital clerks, and other women from relatively modest circumstances. The salon is the creation of Heloisa Assis, known as Zica. One of 13 children, she grew up in a slum supported by her laundress mother. Like many Brazilians of African descent, she had brittle, kinky hair that she says hobbled her chances of getting a decent job. Zica tested homemade potions to tame her unruly Afro and finally came up with a formula that created flowing ringlets. She patented her discovery and in 1993 opened a salon, calling it Beleza Natural, or “Natural Beauty.” She soon had customers lining up at 5 a.m.

Today, Zica has 1,080 employees, 10 salons, and plans to open 30 more shops in five years. Falling interest rates have allowed her to get bank loans to finance growth. Two years ago she brought in professional CEO Anthony Talbot, a veteran of Dunkin’ Donuts and Young & Rubicam, who says sales hit $26 million in 2008 and should reach $45 million this year. The hair treatments aren’t cheap: Most clients spend $60 a month—10% to 20% of their income—on salon visits and products. But, Zica says, “People nowadays have a little more money to buy the basics they need, with some left over.”
“THE NEW NECESSITIES”

Brazilians are also buying more food, clothing, and household goods. That’s fueling sales at companies such as Grupo Pão de Açúcar, a chain of 597 supermarkets with $8.9 billion in revenues last year. To cash in on booming sales of fridges, washers, and the like, the company in June paid $422 million for Ponto Frio, an appliance retailer with 458 outlets. “Over the next five years, we’ll see a doubling of sales of durable goods in Brazil,” says José Roberto Tambasco, vice-president for operations at Pão de Açúcar.

In April the government reduced hefty taxes on construction materials, cars, and household appliances to stimulate consumption. That revived auto sales, which in June hit 300,000 vehicles—an all-time high. Even hapless General Motors is enjoying fat times in Brazil, where it’s investing $1 billion through 2012 to develop a new small car. Whirlpool (WHR), which has a 40% share of Brazil’s appliance market, has benefited, too. Sales jumped 20% in May and June compared with a year earlier. Even when the tax cut ends in October, sales should remain strong, says José A. Drummond Jr., president of Whirlpool Latin America. In wealthier cities, 55% of households have a washing machine, but in the poorer Northeast, less than a quarter do. “Think how many washers we can sell in this country,” Drummond enthuses. “Washers and microwaves are the new necessities.”

Many of those goods will be bought with credit cards. Purchases with plastic have been growing 22% a year during the past decade, and since fewer than half of Brazilians have cards, there’s immense potential. Credit to the private sector is just 44% of GDP—up from 36% a year ago—but still well below the U.S. level. That explains why VisaNet, a Brazilian card processor affiliated with the global Visa (V) card network, on June 25 was able to raise $4.3 billion in Brazil’s largest-ever initial public offering. More than half the shares were snapped up by international investors, who are starting to flock back to Brazil.

Many of them find their way to GP Investimentos. The São Paulo private equity shop manages more than $1.1 billion, much of that from foreigners. Oxford-educated co-CEO Antonio Bonchristiano worked in the City of London and on Wall Street before returning to his native Brazil in the early 1990s at the height of hyperinflation—not a time for the faint of heart, but he has no regrets. “People now realize that too much capital flowed to India and China” in recent years, he says. “Brazil is on much firmer footing now, and it makes sense to put funds here.”

GP has invested in a dozen ventures, from barbecue restaurants to oil rigs to an outfit called BR Malls. When GP bought the shopping center manager in 2006, it was a family-run business with six malls valued at $287 million. Today, it has 34 malls, 1 billion square feet of retail space, and a market cap of $1.8 billion—growth fueled largely by the middle class. Those middle-class shoppers are often looking for furnishings for new apartments. Brasilia aims to get at least 1 million homes built by 2011 due to initiatives such as My House, My Life, launched in April. That plan “is going to completely transform the housing construction industry in Brazil,” says Leonardo Guimarães Corrêa, chief financial officer of MRV, Brazil’s largest low-income homebuilder. MRV saw $231 million in home sales in the first quarter and doubled that in the second quarter. It has 200 construction sites nationwide, and its stock price has quadrupled this year.

Does Brazil run the risk of a real estate bubble? During the long years of high inflation, mortgages were nonexistent, and today they represent just 2.5% of GDP, vs. 80% in the U.S. So few see much risk of the market overheating anytime soon. “There’s so much pent-up demand,” Corrêa says. “It’s not like the U.S., where people got up to their ears in debt. We’re talking about simple, affordable apartments.”
Business Exchange: Read, save, and add content on BW’s new Web 2.0 topic network
Brazil’s Political Future

Brazil is likely to continue pursuing responsible macroeconomic policies even after President Luiz Inácio Lula da Silva leaves office in January 2011. That’s largely because the fast-expanding middle class values stability and low inflation, Erasto Almeida writes on foreignpolicy.com. The main question is whether Lula’s successor will continue his move toward a bigger role for the state in the economy, especially in key sectors such as oil and power.

To read the article, go to http://bx.businessweek.com/brazil-business/reference/

Smith is BusinessWeek’s Mexico bureau chief.

Fonte: Revista Newsweek
Tags:
28/08/2009

Mais uma ecovila nasce….EcovilaUR

image001

27/08/2009

Transgredir é preciso!

O curso propõe refletir sobre as diferenças, como ponto de partida para a realização de mudanças internas (pensamentos e sentimentos) e externas (ações). A transgressão, neste caso, refere-se à necessidade e coragem de ultrapassar normas e hábitos calcados em preconceitos e em visões de mundo que precisam ser superados na construção de um futuro sustentável e pacífico.

Público focalizado: professores, educadores com atividades afins e estudantes da área ambiental.

Datas: 10, 17 e 24 de setembro, e 01, 08 e 15 de outubro.

Datas e Horário: às quintas-feiras, das 9h30 às 12h30.

Professora: Lygia Maria Cerviño Lopez

Coordenação: Glacilda Pinheiro Correa

VAGAS: 50 –           HAVERÁ SELEÇÃO – Inscrições pelo e-mail: inscricoesumapaz@prefeitura.sp.gov.br

26/08/2009

Globalização e Solidariedade em Brasilia

Não estamos falndo dos políticos em Brasília, mas sim do artista e ativista Bob Geldof – veja convite abaixo.

Convite eletrônico. Conferência BOB GELDOF.Editora ARP. FINAL. 26.08.09

25/08/2009

Green Jobs & Opportunities

 

Oi Gente, foi maus …geralmente publicamos o ‘Green Jobs & Opps” aos sábados …estávamos filosofando e questionando se é de empregos que realmente precisamos…ainda vamos escrever um post sobre essa questão!

Enfim, abaixo, algumas vagas enviadas por nossa rede, VALEU!
 
Fundação de origem privada, médio porte, admite: Relações Institucionais

Profissional de nível superior na área de comunicação social (jornalismo,
relações públicas ou marketing), para atuar como Relações Institucionais:

– Experiência de 02 anos em relações institucionais e/ou assessoria de
imprensa, rotinas de redação, comunicação corporativa;
– Competências para:

  • Elaboração de conteúdos pertinentes ao cenário de atuação da Fundação,
  • Organização e realização de eventos,
  • Acesso e trânsito em variados grupos de interesse no universo de trabalho da Fundação,
  • Administração e fidelização de redes de contatos estratégicos.
– Disponibilidade para representações institucionais;
– Conhecimentos avançados do Office;
– Desejável inglês e espanhol;
– Disponibilidade para jornada de 40 horas semanais.

*Enviar currículo com pretensão salarial para o e-mail
entidadesocial@gmail.com até o dia 25/08/2009 com assunto MKT/2009.

Vaga (4 horas/dia) para assistente administrativo-financeiro no Instituto Geração.

O Instituto Geração (www.institutogeracao.org.br) está com uma vaga de assistente, meio período – 09h00 às 13h00, no Jardim Europa, em São Paulo.

Requisitos: – Identificação com a causa, crenças, missão e visão do Instituto Geração (http://www.institutogeracao.org.br/site/?q=pt-br/institucional/acreditamos);
– Identificação com valores e temas como honestidade, integridade, justiça social, sustentabilidade e responsabilidade social;
– Domínio do pacote Office (Excel, Word, Power Point e web);
– Facilidade numérica para cálculos e habilidade de gerenciamento de planilhas de Excel complexas;
– Boa redação de textos, apresentações e relatórios (português) e desejável inglês fluente;
– Familiaridade com contratos (para preenchimento de minutas);
– Responsabilidade na administração e organização do escritório;
– Noções da área de recursos humanos e de tributos fiscais;
– Conhecimento e experiência na organização de reuniões, eventos e viagens;
– Características como pró-atividade, organização, atenção a detalhes, bom relacionamento interpessoal e vontade de se desenvolver e aprender;
– Capaz de realizar tarefas de pouca ou muita complexidade com a mesma atenção e cuidado, bem como capaz de acompanhar várias tarefas ao mesmo tempo, seja em equipe ou sozinho;
– Com perfil prestativo e colaborativo, pronto para ajudar e que não recusa nenhum tipo de trabalho;
– Experiência prévia em atividades similares.

Principais atividades:
Administração financeira e contábil:
– Atualização de planilhas de controle orçamentário dos projetos do Instituto e interface com os gerentes dos projetos e a diretora executiva (fluxo de caixa, saldo geral e por projeto);
– Interface com escritório de contabilidade (fornecimento de dados financeiros, de tributos e de recursos humanos) e organização de toda a documentação necessária;
– Controle de recebimentos financeiros de doação e prestação de serviço (emissão de boletos e notas fiscais, cobranças dos pagamentos via e-mail e telefone, controle de 2 pequenas despesas e reembolsos etc.) e pagamentos de contas, impostos e salários (emissão de cheques, cópia, pagamentos em banco e via internet);
– Elaboração de cronogramas, relatórios de análise financeira e coleta de dados para documentos de avaliação (indicadores de resultados financeiros).

Administração jurídica:
– Interface com advogados voluntários e escritórios de advocacia;
– Acompanhamento da documentação legal do Instituto (estatuto, leis do 3º setor, conselho etc.);
– Preenchimento de minutas de contratos (prestação de serviço, doação etc.) e registro de documentos em cartório;
– Manutenção e alteração dos registros da entidade em órgãos públicos (validade de documentação, renovação etc.).

Administração do escritório:
– Manutenção de bens, materiais em geral, conservação do escritório, contratação e acompanhamento de fornecedores e serviços de terceiros (do escritório e para projetos, da cotação à negociação e compra efetiva);
– Preenchimento e controle de instrumentos gerenciais e de políticas institucionais da equipe (calendário de férias e calendário impresso de eventos);
– Organização de arquivos e documentos, biblioteca, correspondência e mercadorias;
– Organização do banco de dados de contatos institucionais.

Apoios gerais (institucionais e por projeto):
– Apoio na organização de eventos (principalmente preparação e impressão de material) e realização de atividades pós-evento (principalmente registro das atividades e elaboração de relatórios);
– Apoio na redação de materiais de sistematização, relatórios e projetos;
– Apoio na interface com parceiros, clientes e potenciais clientes;
– Atendimento telefônico, elaboração de cartas, fax e scaneamento de documentos etc.

Remuneração:
R$ 1.200,00 CLT por 4 horas diárias (20 horas semanais).
Possibilidade de contratação por mais horas ou promoção para cargo de gerência, de acordo com desempenho individual e desenvolvimento da organização.

Os interessados devem mandar CV para ana@institutogeracao.org.br até 31 de agosto.

Gestor de Negócios Jr.

Atividades a serem desempenhadas:
  • Acompanhar e controlar a execução do Plano de Implementação no âmbito do Plano de Negócios proposto pela empresa;
    Acompanhar e controlar o andamento físico e financeiro do projeto apoiado com recurso do Kit PRIME;
    Elaborar e acompanhar a prestação de contas dos recursos oriundos do KIT PRIME;
    Organizar um adequado sistema de informações gerenciais que permita à administração conhecer os fatos ocorridos e os resultados obtidos com as atividades;
    Assessorar na administração das Finanças da empresa (tesouraria, contas a pagar e a receber, relação com agências de financiamento e fomento);
     
    Elaborar demonstrações financeiras;
  • Implantar sistemas orçamentários;
  • Planejar, controlar e analisar os orçamentos e planos de investimentos;
  • Prover suporte gerencial às áreas comercial, produção, logística, custos e compras;
  • Implantar e supervisionar controles gerenciais;
  • Implantar controle de custos da empresa e de seus produtos;
  • Responsabilizar-se pela elaboração de relatórios gerenciais, incluindo aqueles apresentados ao Programa PRIME;
  • Acompanhar o trabalho da área de contabilidade;
  • Acompanhar os estoques e o capital de giro;
  • Contribuir para a identificação de oportunidades de negócios
OBS: Não é obrigatória a experiência em TODOS os campos acima.
Carga Horária Prevista para o Gestor de Negócios: 20 horas semanais

Salário estimado: R$ 1.200 + benefícios

Favor enviar currículo e breve carta de apresentação para o email aoka@aoka.com.br , com título “Vaga para Gestor de Negócios Jr”

Estagiário Raízes Turismo e Desenvolvimento Local

 

Pré requisitos:

  •  Cursando: Turismo, Administração, Comunicação ou áreas afins.
  •  Habilidades redigir textos, relatórios com habilidades de analise e interpretação;
  • Ótimo nível de proficiência na língua portuguesa;
  • Bom nível de proficiência na língua inglesa;
  • Ter habilidades bem desenvolvidas nos programas Word, Excel, Power point e Internet;
  • Ser organizado;
  • Ser empreendedor;
  • Ser pró ativo;
  • Compromissado;
  • Ter muita disposição ao trabalho;
  • Vontade de aprender;
  • Ter flexibilidade de horários;
  • Conhecimento ou experiência em projetos de turismo, sustentabilidade, associativismo, terceiro setor;

Atribuições do cargo:

  • Apoio aos diferentes projetos da Raízes na áreas de associativismo, terceiro setor, turismo, desenvolvimento local: elaboração de relatórios, documentos, planilhas e apresentações, acompanhamento de reuniões.
  • Apoio às atividades administrativas da empresa: serviços externos, organização dos arquivos e documentos, participação em processos licitatórios, agendamento e participação em reuniões, atualização do site e retorno de emails.

Detalhes contratuais:

  • Contrato de estágio com carga horária de 20 a 30 horas semanais, dependendo da disponibilidade de horário do candidato;
  • Bolsa referente a ajuda de custo e possibilidade de remuneração por resultado;
  • Locais de trabalho próximo ao Metrô Consolação e Metrô Ana Rosa.

Aos interessados, favor enviar currículo e  breve carta de apresentação (máximo 01 lauda) para o e-mail: marianne@raizes.tur.br, com assunto: Vaga Estágio.

Prêmio Jovem Jornalista

www.premiovh.orgO Instituto Vladimir Herzog, junto com o Sindicato dos Jornalista no Estado de São Paulo estará lançando o 1o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão.
A idéia é que estudantes de jornalismo/comunicação desenvolvam um projeto de pauta jornalística com o tema Direito à Vida e Direito à Justiça. Pode-se trabalhar individualmente ou em grupos de até 3 pessoas e, opcionalmente, ter um professor da sua escola ajudando o trabalho.
As melhores pautas serão premiadas com o custeio e suporte para a realização da matéria. Matéria esta que será veiculada na semana de Celebradação da Vida de Vlado (junho/2010).
Mais informações no site: 

 

Prêmio Intergraf de Design Institucional

O público-alvo do concurso também foi modificado: agora podem participar estudantes do Brasil inteiro e profissionais formados há até dois anos.
São três categorias: Calendário de mesa, Caderno e Cartão de final de ano. Os ganhadores receberão uma premiação em dinheiro, além de dez unidades do seu próprio projeto e mais três dos trabalhos dos demais ganhadores.
Podem participar alunos matriculados em cursos regulares de graduação, pós-graduação ou técnicos das áreas de design gráfico ou digital, desenho industrial, engenharia de produtos ou embalagens, programação visual, publicidade e propaganda, e afins, além de recém-formados nesses segmentos há até dois anos.
As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no link: www.intergraf.com.br/pidi.

Inscricoes prorrogadas ate 10 de Setembro.

24/08/2009

Segunda in a rush …rapidinhas!

Videochat sobre “Empreendedorismo para Sustentabilidade – Dilemas e Oportunidades” – hoje às 10:30

O debate, com duração aproximada de uma hora e meia, trará três empreendedores que já estão nesse caminho e que dialogarão com o público sobre suas experiências, perspectivas e desafios no empreendedorismo para a sustentabilidade.

São eles: Clélia Angelon (Surya Brasil), Eduardo Conde Filho (BMK) e Luís Fernando Laranja (Ouro Verde Amazônia), tendo como mediador o jornalista Alexandre Mansur, da Revista Época.

Este evento é resultado de uma parceria entre o Centro de Estudos de Sustentabilidade (GVCes) e o Grupo Santander Brasil (formado pelos Bancos Santander e Real).

Acompanhe aqui o videochat.

Duas palestras gratuitas na UMAPAZ – das 19 às 21hs

Dia 26 – Pra quem curte ecovilas, Aryamani vai falar da experiência em Auroville – uma cidade com algo a mais – veja detalhes aqui

Dia 27 –  “Arquitetura da Paz”

Aberta a profissionais e estudantes de arquitetura e demais interessados no tema – basta chegar com 15 minutos de antecedência. Saiba mais clicando aqui: eventos e cursos


Aproveitamento da água de chuva – curso na Morada da Floresta neste final de semana com Guilherme Castagna – veja como participar

Vamos pedalar no domingão!

Sexto Pedal Verde na Avenida Sumaré – SP neste domingo dia 30


START -UP LAB 2a. edição

Chegou a segunda edição do Start-Up Lab, evento pioneiro de prática de pitch para empreendedores, realizado pelo Hub e Artemisia.
Essa é uma oportunidade especial de testar seu negócio e receber feedbacks e sugestões diretamente de profissionais experientes, em um ambiente de laboratório. Veja informações AQUI

Capacitação Básica em Educação Ambiental – de 5 a 9 de outubro, em Jaguariúna/SP. Vagas limitadas.
As inscrições serão registradas mediante preenchimento do formulário eletrônico disponível em: www.funarbe.org.br/educambiental
UFA! Tem muito mais nos eventos e cursos !!! Clique aqui.
23/08/2009

Mostra  de Filmes sobre Meio-Ambiente e Globalização

O quinto maior país do mundo, o Brasil está se tornando cada vez mais importante, do ponto de vista econômico e político. Some-se a isso a deslumbrante beleza e as riquezas advindas de recursos naturais. O uso sustentável dessas riquezas e a preservação de seu patrimônio natural para futuras gerações são hoje o maior desafio que o Brasil, a exemplo do mundo, tem que enfrentar.

E é dentro dessa perspectiva que a ECOMOVE, organização não-governamental da Alemanha, vem apoiar uma mostra de filmes de conscientização sócio-ambiental no Brasil intitulada planet.move.

A mostra reúne produções contemporâneas para o cinema  e a TV, com ênfase em temas ambientais e sociais, como mudança climática, globalização e seus impactos ecológicos, perda da biodiversidade, a agricultura e o problema do alimento no mundo, entre outros. Evidentemente, essas questões estão estreitamente ligadas a causas de responsabilidade social como a redução da pobreza.

A mostra de filmes planet.move ocorrerá em diversas regiões e cidades do Brasil, incluíndo São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e Recife, e será acompanhada de exposições e discussões sobre os temas.

No Brasil, a ECOMOVE atua em parceria com o Instituto Goethe e com a ECOBahia – Festival Internacional do Audiovisual Ambiental. O projeto é apoiado pelo Ministério do Meio-Ambiente da Alemanha.

Segue a lista dos filmes participantes:

. O Planeta (Suécia, Noruega e Dinamarca) 2006.

. Herança (Brasil) 2007

. A Grande Liqüidação (Alemanha) 2006

. Urubus têm Asas (Brasil) 2007

. Entre a Meia-noite e o Canto do Galo (Canada) 2005

. Encontro com Milton Santos (Brasil) 2006

. Vida sem Controle (Alemanha) 2004

. Nós Alimentamos o Mundo (Áustria) 2005

. Nas Terras do Bem – Virá (Brasil) 2007

. Os Homens do Lago (Bolívia/Estados Unidos) 2007


No site da Mostra: www.planet-move.com.br pode-se encontrar as sinópses, fichas técnicas e premiações de todos os documentários além das datas e locais de apresentação da mostra em várias cidades brasileiras.

22/08/2009

Econegócio: viveiro de mudas e sementes

Semeando o futuro

De semente em semente, o engenheiro Marcelo de Carvalho Silva construiu um negócio de R$ 10 milhões

Bia Costa

O ano foi o mesmo da Eco-92, a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Acabara de ficar claro para o engenheiro florestal Marcelo de Carvalho Silva, 55 anos, que o país passaria a fazer parte de um importante movimento para recuperação de áreas florestais degradadas; as empresas, por sua vez, também investiriam cada vez mais em projetos de compensação ambiental. Nascia ali o negócio da Fazenda Plathymenia, viveiro de mudas e sementes de 750 hectares localizado em Silva Jardim, no interior do Rio, que se transformaria na Biovert. “Eu sabia que em algum momento o mercado ia se preocupar mais com a conservação ambiental e apostei nisso”, diz Silva, que conquistou para sua carteira de clientes empresas como a Petrobras e a Odebrecht e prevê um faturamento de R$ 10 milhões para este ano, quase o dobro dos R$ 5,3 milhões obtidos em 2008. Outro indicador de sucesso: nos últimos cinco anos, a expansão média da empresa tem sido superior a 60%. “Ainda existe uma demanda reprimida muito grande e os concorrentes são poucos”, completa Silva.

Na Biovert, o processo de produção envolve 140 funcionários, mas é muito simples: as sementes são recolhidas e transformadas em mudas. Parte delas é acondicionada em uma câmara fria para ser beneficiada e posteriormente plantada, de acordo com a demanda. Cada projeto tem prazo médio de um ano, com um semestre dedicado ao plantio e outros seis meses de manutenção. Atualmente, Silva produz 35 mil mudas por ano, mas sua ambição é aumentar esse número em 200%, expandindo sua atuação para outras áreas do país. Seu próximo passo é obter financiamento do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e conquistar clientes em outros estados. Hoje, sua atuação está restrita ao Rio. “Temos trabalho para muitas gerações”, afirma Silva, que, pensando no futuro, engajou no negócio seu filho Bernardo, 21 anos, também engenheiro ambiental, que acaba de se tornar seu sócio.

Marcelo Correa

Marcelo de Carvalho Silva
BIOVERT
Silva Jardim, RJ
Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios
%d blogueiros gostam disto: